Destino e Viagem

Serra da Canastra-MG

Serra da Canastra – Guardiã do São Francisco.

Localizada a 330 km de Belo Horizonte MG, encontramos o Parque Nacional da Serra da Canastra.

Cortada por 72 quilômetros de estradas de pedra e terra, a serra é destino de aventureiros e de quem esteja disposto a enfrentar terrenos acidentados. O ideal é contratar guias locais que possuem veículos 4×4 na pequena cidade de São Roque de Minas.

O Parque é dividido em duas áreas: a parte alta e a parte baixa.

Na parte alta há três portarias: São Roque de Minas (município) e considerada a capital da região da Serra contando com uma estrutura de hotéis e pousadas e próxima das principais atrações do parque e sua entrada principal que dista 7 quilômetros. Outro acesso é a portaria São João Batista e a portaria Sacramento.

Na parte baixa há acesso pela portaria de São José do Barreiro, embora não tenha a mesma infraestrutura de São Roque merece uma visita de todos aqueles que escolhem esse destino. Lá se encontra a cachoeira Casca D’Anta que é a primeira e mais alta queda d’água do Rio São Francisco, 186 metros de altura, imponente e majestosa. No acesso a parte alta da cachoeira é possível ainda encontrar a nascente do Rio São Francisco e no lugar onde nasce o “Velho Chico” há uma estátua do santo que dá o nome ao afluente.

Além do banho de cachoeira e da visita a nascente, vale a pena observar e fotografar a fauna e flora da região. Nela encontramos espécies como o tamanduá bandeira, o lobo-guará e também lindas bromélias e orquídeas.

Onde nasce o São Francisco

São Francisco

O Rio que está intimamente ligado à vida e existência de muitas cidades e povoados no Norte de Minas e em boa parte do Nordeste brasileiro nasce na Serra da Canastra.

Com 3.160 quilômetros de extensão e passando por cinco Estados da Federação o rio nasce em uma pequena fenda na serra mineira.

O parque foi criado com o objetivo de proteger a nascente do Rio São Francisco e o acesso à nascente ocorre tanto pela portaria 1 em São Roque como também através da parte alta da cachoeira Casca D’Anta.

A grandiosa Casca D’Anta

Serra da Canastra

A queda d’água conhecida como cachoeira da Casca D’Anta possui uma queda de 186 metros e pode ser observada tanto pelo alto quanto pela parte inferior.

Para checar à cachoeira é necessário pegar uma trilha que leva o mesmo nome da queda d’água e que possui 4 quilômetros de extensão.

Vale avisar que a trilha não possui sinalização, mas esta é até dispensável justamente pela paisagem monumental. Casca D’Anta dispensa placas de sinalização.

Na parte alta da trilha tem-se acesso a uma vista de tirar o fôlego: um vale que separa os maciços da Canastra e da Babilônia. A caminhada na trilha dura duas horas a subida e uma hora a descida, então é bom ter fôlego.

A Lagoa Azul e a Cachoeira dos Rolinhos

A cachoeira dos Rolinhos deságua na Lagoa Azul, e seu acesso se dá por uma trilha de 15 minutos a pé a partir da estrada principal.

Esta cachoeira é a segunda mais visitada no parque e para tornar o passeio ainda mais espetacular pode e deve observada de um mirante.

Ainda na parte alta de Rolinhos encontra-se a cachoeira de Rasga Canga, que é ótima para banho e possui quatro quedas d’água.

Para quem gosta de história, vale ainda uma vista a ruínas de antigas fazendas na região do Alto São Francisco, chamado Retiro das Pedras, perto da portaria São João Batista.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *